Um blog que surgiu do interesse de três colegas de profissão, profissionais de adoram o que fazem e não se cansam de trocar experiência, discutir o porquê de cada coisa, aprender e melhorar a cada dia nosso ofício. Junte-se a nós, apresente sua opinião de como você trabalha com o pilates, interaja.... será um prazer trocarmos nossas experiências!

25 de jun de 2010

Como você organiza suas aulas?

Você acha importante ter um controle individual das aulas de cada aluno do studio? Ou você consegue confiar em sua memória? Para você, isso pode ser considerado uma metodologia diferenciada ou resulta em mais trabalho para o instrutor?  Este é o nosso foco hoje: entender como os professores de pilates trabalham e verificar a interferência destas metodologias.

Vamos iniciar este bate-papo contando a nossa experiência atual. Trabalhamos em um studio onde os alunos têm a possibilidade de escolher seu horário e modificá-lo sempre que possível e, esta liberdade para o aluno, considerado até um diferencial, gera (de certo modo) a necessidade de que o professor do horário saiba exatamente o que o aluno realizou na última aula, quais são seus objetivos, que número de repetições ele tem realizado atualmente, o que ele pode/deve ou não realizar, entre outros detalhes que interferem na qualidade da aula e na comunicação entre um professor e outro.  Neste espaço trabalhamos com um grupo de no máximo três alunos por horário/instrutor onde, cada aluno realiza a sua série individualizada.

Para organizar nosso trabalho nós elaboramos uma ficha padrão onde na primeira parte além de dados pessoais, possui informações sobre o plano do aluno, horário que ele freqüenta o studio (se o aluno possui um horário fixo) e quantidade de aulas por semana, objetivos pessoais, objetivos sugeridos pelo professor, uma parte de observações e um quadro com uma ficha de avaliação postural (resumida) para que, além de preencher no início do plano o professor também visualize detalhes importantes com relação à postura possa fazer observações durante o decorrer das aulas.

Na segunda parte, uma seqüência de quadros em branco para cada aula dada, incluímos a data e descrevemos (durante e depois da aula) como ocorreu a sessão deste determinado dia. Neste espaço descrevemos: objetivos específicos do dia, exercícios realizados, número de repetições, relatos do aluno sobre a última aula ou o espaço de tempo entre a última aula e a do dia.

A descrição da aula com todos os seus detalhes auxiliam de uma forma toda positiva quando estamos nos preparando para atender este aluno, auxilia muito mais quando a última aula realizada por ele foi dada por outro professor ou quando você aparece para substituir o professor do horário e não conhece muito bem quem você irá atender.

Nesta ficha também temos a possibilidade de passar orientações para a aula seguinte e anotarmos informações sobre o aluno e esta ficha permanece sempre no studio de pilates.

Um dos grandes benefícios deste processo é a boa comunicação entre os professores do studio e um bom andamento dos objetivos propostos, podemos também acompanhar a evolução de cada aluno, exercício por exercício.  Apesar do aparente trabalho que estas anotações geram, aos nossos olhos isso se reflete em qualidade dos serviços prestados, em organização, praticidade para o planejamento da próxima aula sobrando até mais tempo para outras ações importantes durante a aula, ou equívocos. Acho importante ressaltar que todo este processo também não deva excluir a preparação da aula feita antecipadamente pelo professor.  

E você como trabalha? Você possui algum tipo de anotação? Você a faz metodicamente ou apenas descreve superficialmente? Você acredita que isso pode ajudar no seu trabalho ou pelo contrário, acha que é uma burocracia desnecessária?

Descreva como você trabalha, será interessante discutirmos sobre isso e quem sabe descobrimos uma forma de trabalhar diferente, podemos questionar nossos procedimentos e juntos podemos encontrar ferramentas que auxiliam nosso trabalho como professores de pilates.

Obrigada por aparecer e participe, será um prazer aprendermos juntos.

Postada  por Gerusa Silécia Gurak 

11 comentários:

  1. Patricia Lobo06/09/2010 06:06

    Olá, achei este blog hoje e gostei bastante, pois acredito que se encaixa dentro da mesma filosofia que acredito tb. Na verdade este assunto de metodologias de aula gosto muito e acho complexo tb. Eu na verdade já trabalhei num estúdio que funcionava com 4 alunos no maximo com um ou dois professores ao mesmo tempo em cada horário. Os alunos tinham ficha de treino, mas muitos deles seguiam durante a aula com sua ficha na mão, o professor acompanhava na mesma, mas o aluno tinha o espaço para ler entender e fazer. Hoje trabalho num estudio que trabalha com aulas individuais, dupla e trio, sempre com o professor durante todo tempo com ele. Cada aluno tem sua ficha mas é gerida e fica com o proprio professor. Diferente do outro estudio que cada aula é diferente, ja o outro era priorizada a repetiçao para ter o conhecimento do movimento. O que vc acha destas duas formas??
    Obrigada e vamos trocando experiencias
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Nós trabalhamos com fichas individuais que são geridas pelo professor. Normalmente eu (enquanto professora) monto um programa de exercício antes da aula e ao me encontrar com o aluno e saber como ele está confiro se será possível aplicar a aula planejada ou, devido a alguma restrição, modifico alguns exercícios. No final da aula ou do expediente, passo para a ficha do aluno o que trabalhamos, observações e sugestões para o próximo treino e esta ficha fica sempre no arquivo do studio, para que na proxima aula deste cliente eu ou o professor que esteja atendendo no horário possa dar continuidade ao trabalho. Tem funcionado muito bem quando falamos em planos de aulas individualizados. Pelo que entendi (e me corrija se estou equivocada) os seus alunos fazem a mesma seqüência todos as mesmo tempo, acho que é uma metodologia bacana se vocês conseguem unir pessoas com objetivos parecidos no mesmo horário, assim as dicas e ajustem servem para todos os alunos e a aula pode fluir muito bem. Se não for assim, visualizo que o instrutor precisa trabalhar consciente das observações que passará para cada aluno enquanto todos fazem a seqüência proposta, mas mesmo com mais trabalho para o instrutor, as coisas podem dar certo se o instrutor agir com seriedade. Estas diferenças de metodologia variam também devido a prioridade que os proprietários e coordenadores dos studios buscam. Das duas metodologias que você vivenciou, qual você gostou mais e por que?

    ResponderExcluir
  3. OLá, compartilhando... Em um stúdio trabalhamos com uma ficha anexa a uma breve avaliação, restrições de exercícios, indicações e objetivos. Os tipos de exercícios ficam livres, de acordo com o professor (são 5 diferentes). Mas respeitamos sempre o objetivo deles. Particularmente, com os alunos que vão sempre no meu horário (este tb é livre) eu sigo uma progressão pedagógica nos exercícios e vou explicando cada etapa ao aluno. Confio aqui na minha memória e feedback. Já em outro local, onde trabalho com turma de solo, a aula é coletiva, tenho a ficha com todas anotações do aluno e frequencia, mas o perfil do trabalho é quase o mesmo para todos, faço pequenas alterações para alguns alunos. Mas veja bem, nesse local, o trabalho é bem direcionado para consciencia corporal e melhora da postura por meio do mat pilates. Deixo isso bem claro aos alunos, não viso estética e outros aspectos que alguns visam no pilates. Pode parecer entranho, aulas coletivas, pois somos seres invididuais. Porém a prática nos mostra que as nossas dores são bem parecidas e as necessidades tb!

    OBS. Qt a fechar um tipo certo de programa, já pensei nisso. Mas minha dúvida é: não fica monotono? Acho que o legal do pilates é a novidade que pode vir a cada aula. E uma dificuldade onde trabalho de aplicar isso, seria com relação a nomenclatura. "E aqueles que criamos e nem mesmo sabemos o nome"?

    Espero ter contribuido, bj!

    ResponderExcluir
  4. Sou proprietária de um studio e instrutora de pilates. Trabalho com no máximo 3 alunos por aula e sou adepta das aulas mensais. Como a maioria faz de 2 a 3x por semana, acredito que fazer uma aula diferente da outra acaba tirando o foco dos objetivos e licitações de cada aluno e acaba priorizando apenas evitar o tédio. Acredito que o pilates precisa ser mais do que proporcionar momentos que fujam do tédio, precisa estar completamente focado no aluno e seus objetivos, mesmo que ele fique um pouco entediado. O aluno não tem condições de saber o que é o ideal para ele, afinal, são geralmente possoas leigas, por isso procuram um profissional. Por isso, programo para cada um uma aula respeitando suas limitações, objetivos e usando progressões que, a cada mês, vão dificultando em dificuldade e complexidade. Dessa forma, acredito eu, o aluno tem tempo para se aperfeiçoar em cada exercício, percebe seu progresso e dificuldades, estando mais preparado para a próxima série de exercícios do mês seguinte. Com isso, tenho um arquivo com a progressão das aulas para cada mês e, de acordo com as condições especiais de cada aluno, adapto, modifico, acrescento ou retiro um ou outro exercício. Isso tem funcionado à 6 anos e dado muito bons resultados. Até hoje, apenas uma aluna se incomodou com o fato de os exercícios serem os mesmos o mês todo, mas logo todos se acostumam e percebem o valor desse protocolo. Espero ter contribuído! Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela participação Cibele. Este é um assunto que sempre nos interessa. Atualmente mudamos para uma estrutura maior e estamos inclusive com um sistema de periodização das aulas. Você está convidada a nos visitar no Centro de Treinamento em São Paulo. Abraço e um ótimo 2015 para ti.

      Excluir
    2. também trabalho deste modo e vem dando super certo!

      Excluir
  5. Sou estagiária no ramo de Pilates e as informações acima me foram muito úteis, pois tenho muitas dúvidas sobre como Proceder com cada aluno, tipo de exercícios e repetições. Mais na verdade acho que depois que iniciar meu trabalho as coisas fluirão... o que acho mais difícil é iniciar com o aluno. Achei interessante sobre ter algumas séries já pré montadas e modificar alguns exercícios de acordo com a individualidade de cada aluno. Assim que ganhar minhas próprias experiências, volto a falar aqui. Então deixo um abraço e bom trabalho pra todos!


    ResponderExcluir
  6. Ola, começarei a trabalhar na terca-feira e até então só tenho os estágios e estou na duvida de como elaborar meu plano de exercicios, estava lendo os depoimentos e achei a ideia da Cibele otima , pq no meu estagio eu olhava muito os alunos executando de maneiras ate erradas e os instrutores ja progredido e mudando os exercicios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até agora tem dado muito certo! Mas é uma evolução constante. A cada ano refaço todos os planos de aula, acrescento e retiro algum exercício... Só com a prática e com o tempo você se torna capaz de aperfeiçoar suas aulas e, consequentemente, melhorar a qualidade do seu serviço! Boa sorte :)

      Excluir
  7. Adorei! Estou com dificuldades de montar a ficha de evolução do pilates,será que você teria um exemplo de ficha? Não consegui montar uma ficha eficiente, já tentei varias vezes 😒 muito obrigada!

    ResponderExcluir
  8. Adorei! Estou com dificuldades de montar a ficha de evolução do pilates,será que você teria um exemplo de ficha? Não consegui montar uma ficha eficiente, já tentei varias vezes 😒 muito obrigada!

    ResponderExcluir